Os Princípios e Benefícios do Design Biofílico

Os princípios de design biofílico permeiam nossos ambientes artificiais desde o início da arquitetura humana. Por milhares de anos, as pessoas procuraram maneiras de incorporar o habitat natural no projeto de casas, espaços de trabalho e locais públicos. Em 1984, o termo “biofilia” foi popularizado pelo biólogo Edward Wilson, embora tenha sido usado pela primeira vez vinte anos antes. Wilson descreve a biofilia como “o desejo de se afiliar a outras formas de vida”. Então, como esse desejo influencia o projeto arquitetônico? Vamos examinar os princípios do design biofílico, o design biofílico de interiores e exteriores e o efeito que o design biofílico pode ter nas pessoas que vivem e trabalham em edificações.

Princípios de design biofílico

O design biofílico usa elementos da natureza para proporcionar descanso e alegria às pessoas em espaços artificiais. Durante a maior parte da história, os humanos passaram seu tempo fora de casa – a mudança relativamente recente para a vida em ambientes fechados é algo a que nossos corpos podem não ter se adaptado totalmente ainda. O design biofílico nos permite interagir com a natureza sem comprometer nosso estilo de vida moderno, e estudos recentes mostraram os efeitos restauradores e aprimoradores que ele pode ter.

Os princípios de design biofílico são geralmente organizados em três categorias: natureza no espaço, natureza do espaço e análogos naturais. Natureza no espaço refere-se à presença direta da natureza e muitas vezes inclui interações multissensoriais. Essas interações podem ser térmicas, visuais, táteis, olfativas ou qualquer outra em que a presença natural seja clara e direta. A natureza do espaço é sobre imitar ou ser inspirado por configurações espaciais na natureza. Trata-se de replicar os sentimentos que os espaços naturais nos proporcionam, como sensações de refúgio, mistério, perspectiva ou perigo. Análogos naturais usam métodos indiretos para refletir a natureza, como o uso de padrões e formas de inspiração natural com materiais arredondados ou com formas que imitam a natureza. Esses princípios podem ser usados individualmente ou em conjunto para criar uma conexão com a natureza em um espaço internos. A chave para os princípios de design biofílico é integrar essas estratégias de uma forma que pareça natural.

Design de interiores biofílico

Para muitas pessoas, o design biofílico é visto como algo que acontece na arquitetura e nos elementos externos de um edifício, sendo o design de interiores biofílico pouco mais do que vasos de plantas estrategicamente colocados. Essa imagem, no entanto, está longe da realidade.

Telas vivas e paredes vivas, agora estão disponíveis tanto no interior quanto no exterior, oferecendo oportunidades de design que podem transformar até mesmo o interior mais sem graça. Um aspecto fundamental do design biofílico é torná-lo regularmente acessível às pessoas no espaço, e os usuários de um edifício passam muito mais tempo interagindo com o interior do que com o exterior. Outro aspecto importante é usar elementos menores para criar uma configuração geral, em vez de focar em áreas pequenas e individuais. Paredes vivas e telas são recursos excelentes para esse tipo de projeto, porque sua grande área de superfície as torna uma característica forte em qualquer cômodo, enquanto suas interações com recursos como janelas e móveis próximos as vinculam ao habitat geral.

Exteriores biofílicos

Quando se trata de criar um exterior biofílico para um edifício, existem duas abordagens: em uma nova construção ou em uma renovação de um edifício existente.

Quando se trata de reformar um espaço antigo usando princípios de design biofílico, elementos como paredes vivas e telhados verdes são ideais porque incorporam muitos elementos biofílicos em uma única instalação. Por exemplo, um telhado verde é uma excelente maneira de criar um espaço restaurador em uma pequena área, como pátio ou telhado, proporcionando aos habitantes do edifício um lugar onde eles
possam fazer uma pausa física e mental de qualquer estresse que possam estar enfrentando.

Embora paredes vivas e telhados verdes também possam ser usados em novos edifícios, um arquiteto com princípios de design biofílico em mente tem muitas oportunidades de explorar as três categorias de design e como elas podem ser mescladas para criar um espaço bonito e benéfico. É possível ver esse tipo de pensamento em muitos edifícios modernos, como locais de trabalho que usam vidro para aumentar a quantidade de luz natural e hospitais que possuem grandes átrios para dar uma sensação de espaço livre a áreas incrivelmente movimentadas.

Embora muitas vezes reconhecida apenas como uma adição a uma fachada existente ou como parte de uma reforma de um edifício existente, uma parede viva também deve ser realizada como uma fachada alternativa. Se isso for permitido no início do estágio de projeto, pode haver economia de custos em contraste com a adição de uma parede viva mais tarde. Isso ocorre porque é possível usar uma parede viva em vez do material de revestimento normal, fixando-a na estrutura principal e criando um jardim vertical deslumbrante embutido na elevação.

Design biofílico em escritórios

Embora pareça bonito, o design biofílico oferece muitos benefícios além da estética. O design biofílico no
local de trabalho demonstrou aumentar a criatividade e reduzir o absenteísmo, com estudos registrando um aumento de 6% na produtividade e um aumento de 15% no bem-estar dos funcionários. O design biofílico também demonstrou melhorar o tempo de recuperação do paciente em hospitais, reduzir as taxas de criminalidade em áreas residenciais e aumentar a capacidade de aprendizado e os resultados dos testes nas escolas. Esses resultados surpreendentes decorrem da experiência aprimorada do usuário do edifício. Muitos espaços públicos foram construídos tendo a função como prioridade máxima e o conforto como uma reflexão tardia, o que significa que elementos como luz natural, fluxo de ar e atmosfera não receberam muita atenção.

Organização Mundial da Saúde estima que as doenças relacionadas ao estresse, como problemas de saúde mental e doenças cardiovasculares, serão os dois maiores contribuintes para problemas de saúde até 2020. A introdução do design biofílico em edifícios fornece aos usuários maneiras de reduzir e liberar o estresse , criando um ambiente mais saudável no qual as pessoas ficam mais felizes. O design biofílico também costuma apresentar uma “arquitetura vernacular”, onde um edifício é construído para se conectar e refletir a paisagem ao seu redor. A arquitetura vernacular e o uso de elementos locais no design de interiores biofílico podem ajudar os usuários a se conectarem com suas comunidades locais e formar laços com o mundo natural ao seu redor.

O design biofílico progrediu enormemente nas últimas décadas, com pesquisas sendo realizadas para explorar seus alcances e benefícios, mostrando resultados espetaculares. À medida que os princípios de design biofílico estão sendo impulsionados com novas ideias arquitetônicas e de design de interiores, nossos espaços públicos e privados estão nos ajudando a nos conectar com o ambiente natural da humanidade. Incorporar a natureza no espaço, a natureza do espaço e os análogos naturais nos deixa mais calmos, mais concentrados e mais satisfeitos com o lugar onde passamos nosso tempo. Esta é uma jornada que temos feito desde que começamos a construir espaços para nós mesmos e, sem dúvida, será um fator em nossa arquitetura e design nos próximos anos.

Compartilhe:

Receba nossas notícias

Inscreva-se em nossa Newsletter